16.1.18

Celebração de Imbolc - O Despertar

4 de Fevereiro (domingo) às 17h00 no Tao

É a entrar nesta fase da Lua Nova de Capricórnio, que vos escrevo e vos convido para a celebração de Imbolc.

Imbolc é o Festival do Fogo e corresponde ao início da primavera celta – nos campos já são visíveis os primeiros rebentos a despontar - e o seu nome deriva de “Oimelc”, que significa “leite de ovelha” em antigo celta.

A Deusa é agora a criança, a menina, que brinca inocentemente, a jovem Bridie celta, ou no mito de Deméter e Perséfone, é esta, a virgem Kore, una e inteira de si mesma. Por isso invocamos as Deusas Virgens neste festival.

Nesta fase do ano tudo está “grávido” e expectante. É a promessa da renovação, do potencial escondido, do despertar da Terra e a força da vida começa a vibrar. Aqui existe esperança. Damos as boas vindas ao crescimento e ao regresso da luz. A vida veste-se de branco e instamos ao apetite do renascimento.

É tempo de deixar ir o passado e olhar para um futuro, limpar o velho e criar espaço para novas situações entrarem com frescura e leveza na nossa vida.. Isto pode ser feito de inúmeras formas, limpando as nossas casas, a nossas mentes e principalmente os nossos corações, para permitir que a inspiração entre neste novo ciclo. 

Tempo para fazer dedicatórias. Birgid é a Deusa da Cura, da Poesia, das Artes e do Fogo. Ela trás fertilidade aos campos e arquetipicamente trazemos essa fertilidade a todos os níveis para a nossa vida. Ela recebeu o cajado por parte da Deusa Calleird. E inicia-se a jornada de luz e esperança, após a recolha do escuro e do frio Inverno gélido. Começamos a circundar e a caminhar de Norte para Nordeste, onde se espreita esse nascer do Sol. 

Recordo que o Sagrado Feminino e Masculino Conscientes, é um caminho e forma de auto-descoberta. É um caminho em que nos conectamos com a energia da Terra. A Terra que é a matéria, a Terra que é a Mãe, a Terra que é face feminina da Divindade. A Deusa.

É um caminho, não uma religião, que resgate uma ancestralidade de uma sociedade Matriarcal, para a sociedade dos dias de hoje, Patriarcal. É um caminho que religa a verdadeira essência feminina. E quando falo em feminino, não me dirijo apenas a mulheres, mas também a homens. Pois todos nós temos essas duas energias,feminino e masculino, yin e yang, temos duas polaridades, temos um lado luz e um lado sombra. Um dos objectivos deste trabalho (caminho), é aprender a re-equilibrar esses opostos de uma forma mais consciente. Diferenciar os elementos, para depois os integrar numa nova vida mais criativa. Ajudar a co-criar uma vida mais saudável, mais empoderada e mais feliz. É um trabalho onde repeitamos a energia da roda do ano. É um caminho de intensa e profunda entrega. É um caminho de individuação. É um trabalho de AMOR. 

Ana Ameixoeiro


Dia: 4 de Fevereiro de 2018
Horário: 17.00 - 20.00H
Local: Tao Centro de Yoga, Rua Manuel Fernandes Tomás, n. 15 -1. andar, Figueira da Foz
Valor de Troca: 30 Donzelas
Vagas Limitadas
Solicita a tua ficha de inscrição através ameixoeiro.ana@gmail.com

Sem comentários: