26.1.12

Oficina de Dança Natural e Mudras no Tao

18 de Fevereiro (sábado)
Com Beatrix Stephanie Gutbub
15h30 às 18h30

A Dança Natural, pode-se dizer, é o oposto da Dança Clássica. A Dança Clássica, normalmente, é executada com regras fixas e interpreta a música clássica.

A Dança Natural funciona de forma diferente. Os movimentos, posturas e gestos são simples, leves, livres e naturais (sem esforço), seguindo a sua própria intuição, e podem-se interpretar diferentes tipos de musica (clássica, jazz, blues, rock, folclore, músicas étnicas, etc.). Esta forma de dançar não foi criada por mim. Nasci com a inspiração da dança, o que está presente dentro de todos nós, sempre (o que me lembro... o que me consulto...). Desde criança pratico-a de uma forma espontânea e intuitiva (e deixo-me surpreender com ela).

Na fase da preparação da Dança Natural alguns exercícios servem para aquecer o corpo e a prática das posturas de Yoga e de Mudras* (gestos rituais, yoga dos dedos) ajudam a desenvolver exteriormente o equilíbrio, a elasticidade, a flexibilidade do corpo e a força de saltar. Interiormente, ajudam a desenvolver a nossa intuição, auto-confiança, auto-segurança, auto-estima e dissolvem quaisquer bloqueios. Em resumo, estabelecem harmonia dentro de nós. Claro que isto desenvolve-se praticando ao longo de algum tempo.

Consideramos o nosso corpo como se fosse um instrumento (flauta, guitarra, piano...).

Convém dominar pelo menos algumas técnicas básicas, comuns em todas as danças, como por exemplo viravoltas, passos e saltos, que facilitam a transmissão da nossa inspiração enquanto dançamos.

A essência ou o alvo da Dança Natural e de "explorar o bailarino", que existe dentro de nós, ou seja, a capacidade de deixar flutuar e vibrar a música dentro de nós e usufruir em pleno desta experiência única, fantástica.

Este "bailarino" sabe expressar-se através da sua dança, o que caracteriza os quatro elementos da Natureza e o "jogo" entre eles:

- a flutuação e frescura da água
- a leveza, o voo e as mudanças do vento
- o calor, a paixao, o amor e o brilho do fogo
- a firmeza, a certeza, a estabilidade e calma da terra.

Estou convencida que a prática desta dança ao longo do tempo, pode contribuir para a construção de um futuro mais luminoso do que o que actualmente temos previsto

Mudras 

Gestos rituais, que existiram em quase todas as culturas antigas. Hoje em dia é somente praticado na Índia, sobretudo nos templos indianos. Foi há pouco tempo redescoberto, mas ainda é pouco conhecido.

Igualmente como existem inúmeras posturas de Ioga, também há inúmeros “mudras”, que atraem diferentes aspetos da energia cósmica (diferentes estados de espíritos universais).

Basta conhecer os mais importantes e efectivos, como por exemplo, o”Chin-Mudra”, que significa a união do céu com a terra. A introdução destes “gestos” na dança embeleza e enriquece a mesma.

Lembrando um provérbio antigo: “Um simples gesto pode mudar tudo, destruir ou construir um mundo”

Data: 18 de Fevereiro 2012
Horários:
Dança Natural: Das 15h30 às 17h00
Yoga-Mudras (gestos naturais e rituais, ou Yoga dos Dedos): 17h15 às 18h30
Mínimo de 6 pessoas, máximo de 12
Valor: 25€
Inscrições nos contactos do Tao: tao.centro@gmail.com ou 91 423 80 10

Sem comentários: